Pular para o conteúdo principal




→ Passport ←

Joseph of Bethlehem (Joseph of Nazareth)

«São José com o menino Jesus», afresco de Guido Reni.

José de Belém (ou José de Nazaré)


Mémoria: 19 de Março (ou no Domingo após o Natal [juliano] no Cristianismo Oriental)

Leitura principal: Mateus 1:16-24

As fontes biográficas de José são escassas. Os evangelhos de Mateus e de Lucas apenas mencionam José como descendente do rei Davi de Israel. O fato relevante na vida do homem justo foi seu casamento com Maria. A tradição popular nos conta que eram muitos os aspirantes à mão de Maria. Então todos os jovens pretendentes teriam deixado seus bastões para ter um sinal. Quando este apareceu, o bastão de José, prodigiosamente, floresceu. Todos reconheceram a preferência.

O matrimônio de José com Maria foi verdadeiro casamento, embora virginal. Quando José percebeu que Maria ia ser mãe, ficou sem saber quê fazer, e quê atitude tomar. Por um lado, sabia que ele não tivera parte naquela gravidez; por outro, era-lhe impossível duvidar da fidelidade da esposa. Resolveu deixá-la secretamente. Sendo homem justo (adjetivo relâmpago que ilumina toda a história), José não quis levantar suspeitas, nem comentar nada com ninguém (Mateus 1:18-19).

O dilema angustiante foi resolvido por um anjo. A atitude de José demonstrou que ele estava à altura de sua nobre e singular missão: recebeu em casa sua esposa Maria (Mateus 1:20-25). Com ela, obedecendo ao imperador romano Augusto, foi ao recenseamento em Belém (cidade natal de José), onde o Verbo Eterno apareceu neste mundo, acolhido pela homenagem de humildes pastores, dos sábios e ricos magos, mas ao mesmo tempo recebia as hostilidades do rei Herodes I que obrigou a Sagrada Família a fugir para o Egito (Lucas 2:1-21; Mateus 2:1-12). Voltaram depois a Nazaré até JESUS completar 12 anos, quando temos o episódio da perda do Menino JESUS e do Seu encontro no Templo. Depois disso o Evangelho resume: «JESUS obedecia à Maria e José, crescia em sabedoria, idade e graça…» (Lucas 2:51-52)

Talvez José já estivesse morto quando JESUS iniciou o Ministério público. De qualquer modo, José ficou na sombra e no silêncio de tudo.