Pular para o conteúdo principal




→ Passport ←

Sin unto death


1 João 5:16


(Nova Versão Transformadora)

Se alguém vir um irmão cometer pecado que não leva à morte, ore por ele, e DEUS dará vida a esse irmão que pecou, de maneira que não leva à morte. Mas há pecado que leva à morte, e não digo que se deva orar por aqueles que o cometem.


Palavras do apóstolo João, filho de Zebedeu, redigidas desde Éfeso (capital da província romana da Ásia) entre 85-90 d.C., dirigidas aos cristãos ao redor do mundo e de todas as eras.


Comentários:

O apóstolo João apresenta uma circunstância na qual o crente pode ter confiança na oração, mas também cita um exemplo em que a confiança não é possível. Se alguém vê seu irmão cometendo um pecado que não seja para morte, ele pedirá, e DEUS lhe dará a vida; isto é, para aqueles que cometem pecado que não seja para morte. Evidentemente refere-se a um caso em que um cristão observa um irmão crente realizando alguma atividade pecaminosa. Não é um pecado de tal natureza que traz morte sobre quem o comete. Nesse caso, o crente pode orar pela restauração da pessoa que erra, e DEUS dará vida ao peticionário para aqueles que não pecam para morte.

Por outro lado, há pecado que leva à morte, e o apóstolo diz: «Por esse não digo que ore».

Pecado para morte


É impossível dizer conclusivamente quê pecado é para a morte; então talvez a coisa mais prudente seja dar as várias interpretações aceitas, e então mencionar quál delas achamos ser a mais correta.

1. Alguns pensam que o pecado para morte se refere a um pecado no qual o crente persiste, e o mantém sem confessar. Em 1 Coríntios 11:30, lemos que alguns morreram porque participaram da Ceia do Senhor JESUS sem se julgar.

2. Outros acreditam que a referência aqui é ao pecado do assassinato. Se em um momento de paixão um cristão mata alguém, então não deveríamos nos sentir livres para orar e pedir que seja liberado da pena de morte, porque DEUS já declarou que é Sua vontade que «quem derramar o sangue do homem, pelo homem o seu sangue será derramado» (Gênesis 9:6).

3. Outros acham que o pecado mencionado aqui é uma blasfêmia contra o ESPÍRITO SANTO. O Senhor JESUS disse que aqueles que atribuíram a Belzebu (príncipe dos demônios) os milagres que Ele (JESUS) fez pelo poder do ESPÍRITO SANTO, cometeram o pecado imperdoável, não havendo perdão por este pecado nem neste século, nem no próximo.

4. Outros acreditam que é uma forma especial de pecado, como aquele cometido por Moisés ou Arão (Números 20:1-13), ou Ananias e Safira (Atos 5:1-11), e DEUS entra com um julgamento rigoroso.

5. Uma explicação final é que aqui refere-se ao pecado da apostasia, e acreditamos que esta explicação é a que melhor se ajusta ao contexto. Um apóstata é alguém que ouviu as grandes verdades da fé cristã, intelectualmente foi convencido de que JESUS é o CRISTO, e que ainda fez uma profissão de Cristianismo, mas que na verdade nunca foi salvo. Depois de ter desfrutado das boas coisas do Cristianismo, ele renuncia totalmente a elas, e repudia o Senhor JESUS CRISTO. Em Hebreus 6:1-20, aprendemos que esse pecado é propício à morte. Aqueles que cometem esse pecado não têm justificativas, «pois assim, quanto a eles, de novo crucificam o FILHO DE DEUS e o expõem ao vitupério» (Hebreus 6:6). Em toda a sua epístola, João tinha em mente os gnósticos. Esses falsos mestres já haviam estado em comunhão cristã antes. Eles professaram ser crentes. Eles haviam conhecido os fatos da fé, e então voltaram as costas para o Senhor JESUS, aceitando um ensinamento que negava totalmente a Sua Deidade e a suficiência de Sua obra expiatória. Um cristão não é livre para orar pela restauração de tal coisa, porque DEUS já indicou em Sua palavra que eles pecaram para morte.

Most visited posts of this week:

Yom Teruah / Rosh Hashanah

A Festa das Trombetas (em hebraico: יוֹם תְּרוּעָה, Yom Teruá, ‘dia de gritar/ detonar’), ou Rosh Hashaná (em hebraico: ראש השנה, Rosh Ha-Shaná, ‘cabeça do ano’), é o ano novo bíblico civil, comemorado a 1 de Etanim ou Tishrei (sétimo mês do calendário bíblico cultual; ou o primeiro no calendário civil, conforme Levítico 23:24-25). Celebra-se desde o entardecer do dia anterior (29 de Elul) até o anoitecer do primeiro dia de Etanim.

Para o início do ano bíblico existem dois critérios:

1.- A Torá (Pentateuco) estabelece que o mês de Abibe ou Nisã (março-abril) é o primeiro dos meses do ano, em cujo primeiro dia se comemora o ano novo cultual (Êxodo 12:2; 13:3-5).

2.- No mês hebraico de Etanim ou Tishrei (setembro-outubro) comemora-se o dia em que DEUS criou o mundo e, conforme a opinião do rabino Eleazar ben Shammua, a partir desta jornada se contam os anos. Esta é a data da Festa das Trombetas (em hebraico: זכרון תרועה, Zikron Teruá, ‘comemoração com soar de trombetas’) estabelecida e…