Pular para o conteúdo principal




→ Passport ←

Palm Sunday

«Entrada triunfal de JESUS CRISTO em Jerusalém», pintada por Giotto di Bondone.

Domingo de Ramos


O Domingo de Ramos é aquele primeiro dia da semana em que os cristãos comemoram a entrada de JESUS DE NAZARÉ em Jerusalém, aclamado por uma multidão exultante, dias antes de Sua Paixão, Morte e Ressurreição narrados nos quatro Evangelhos. Dito domingo é o pórtico espiritual da Semana Santa.

Em muitas denominações cristãs, o Domingo de Ramos é conhecido pela distribuição de folhas de palmeiras para os fiéis reunidos na igreja. Em lugares onde é difícil consegui-las por causa do clima, ramos de diversas árvores são utilizados.

Narrativa bíblica


A leitura bíblica recomenda para este dia, combinando todos os Evangelhos, é a seguinte: Mateus 21:1-11, Lucas 19:39-44, João 12:16-50, e Marcos 11:11.

Nos Evangelhos está escrito que antes de entrar em Jerusalém, JESUS estava hospedado em Betânia, jantando com Lázaro e suas irmãs Marta e Maria. O Evangelho de João afirma que Ele ficou ali seis dias antes da Páscoa (João 12:1-11). De lá, JESUS enviou dois discípulos a uma aldeia para que buscassem um jumento que estaria ali amarrado, e que nunca fora montado. Se questionados, os discípulos deveriam responder que o SENHOR JESUS precisava do animal, mas que depois lhes seria devolvido (Mateus 21:1-11; Marcos 11:1-11; Lucas 19:28-40; João 12:12-19).

Os Sinóticos e João estabelecem que JESUS, dentro de Jerusalém, montou o jumento acompanhado de sua mãe (de acordo com Mateus 21:1-3, cumprindo a profecia de Zacarias 9:9). Além disso, os Sinóticos acrescentam que os discípulos puseram suas capas no animal, fazendo-o assim mais confortável.

Portanto, a entrada triunfal de JESUS ocorre exatamente uma semana antes de Sua Ressurreição. JESUS chegou montado em um jumento a Jerusalém, e o povo, festivo, lançou seus mantos à Sua frente, assim como pequenos ramos de árvores, além de cantar o Salmo 118:25-26.

No Domingo de Ramos, JESUS entrou em Jerusalém montado num jumentinho (Zacarias 9:9). Esse dia era 10 de Abibe/Nisã no calendário hebraico bíblico. Esta é uma clara evidência de que Ele é o Cordeiro de DEUS que tira o pecado do mundo (João 1:29). A Torá (Pentateuco) ordena que os israelitas deviam separar o cordeiro pascal no dia dez do primeiro mês do ano; isto é, 10 de Abibe/Nisã (Êxodo 12:1-3). O cordeiro separado era para expiar o pecado do povo, mas este animalzinho somente cobria o pecado. No entanto, JESUS, o Cordeiro de DEUS por Excelência, não só cobriu todos os pecados da humanidade, mas também os tirou.

O lugar desta entrada triunfal a Jerusalém não está especificado, mas supõe-se que teve lugar na Porta Dourada, desde onde acreditava-se que o MESSIAS entraria em Jerusalém. Outros estudiosos pensam que o lugar foi ao sul, pois tinha entrada direta para o templo.

Simbolismos


O simbolismo do jumento pode ser uma referência à tradição oriental de que este é um animal de paz, ao contrário do cavalo, que é um animal de guerra. Segundo esta tradição, um rei chegava montado num cavalo quando queria guerra, e num jumento quando procurava a paz. Portanto, a entrada de JESUS em Jerusalém simboliza Sua entrada como Príncipe da Paz, e não como um rei guerreiro.

Em muitos lugares no Oriente Próximo antigo, era costumeiro cobrir de alguma forma o caminho à frente de alguém que merecesse grandes honras. Em 2 Reis 9:1-13, narra-se que Jeú, filho de Josafá e neto de Ninsi, recebeu este tratamento depois de ser ungido como monarca do Reino hebraico nortista de Israel (minoritariamente chamado de Reino de Efraim). Nos quatro Evangelhos reporta-se que a multidão conferiu a JESUS esta honraria. Porém, nos Sinóticos o povo aparece lançando suas vestes e juncos cortados na rua, mas em João especificamente se mencionam ramos de palmeira. Estes eram símbolos de triunfo e vitória na tradição hebraica, e aparecem em outros lugares da Bíblia (Levítico 23:40; Apocalipse 7:9). Por causa disto, a cena do povo recebendo JESUS com as palmas, e cobrindo Seu caminho com elas e com suas vestes, se torna simbólica e importante.

Em Lucas 19:41-44, conforme JESUS se aproxima de Jerusalém, Ele olha para a cidade e chora por ela, pois previu o sofrimento que passaria dentro de quarenta anos, em 70 d.C.

Data


A maneira bíblica de calcular a data desta comemoração, é tomar em conta o seguinte:

O Domingo de Ramos é o dia seguinte ao Sábado de Lázaro, e este último é aquele sétimo dia da semana imediatamente anterior a 15 de Abibe/Nisã do calendário hebraico bíblico (o primeiro dia da Festa dos Pães sem Fermento).

Como os acontecimentos da Semana Santa foram no ano 30 d.C., no calendário hebraico bíblico este domingo foi 10 de Abibe/Nisã, e no calendário gregoriano foi 30 de março de 30 d.C. Porém, se comparadas com o calendário gregoriano, as datas no calendário bíblico sempre são móveis. Portanto, eis uma tabela das datas do Domingo de Ramos entre os anos 2000 e 2030 d.C.:

2000:   16 de abril
2001:   08 de abril
2002:   24 de março
2003:   13 de abril
2004:   04 de abril
2005:   24 de abril
2006:   09 de abril
2007:   01 de abril
2008:   20 de abril
2009:   05 de abril
2010:   28 de março
2011:   17 de abril
2012:   01 de abril
2013:   24 de março
2014:   13 de abril
2015:   29 de março
2016:   17 de abril
2017:   09 de abril
2018:   25 de março
2019:   14 de abril
2020:   05 de abril
2021:   28 de março
2022:   10 de abril
2023:   02 de abril
2024:   21 de abril
2025:   13 de abril
2026:   29 de março
2027:   18 de abril
2028:   09 de abril
2029:   25 de março
2030:   14 de abril