Pular para o conteúdo principal




→ Passport ←

Holy Friday

Getsêmani

Sexta-feira Santa


A Sexta-feira Santa é o sexto dia da Semana Santa no cristianismo ocidental, e o sétimo dia no cristianismo oriental, pois este leva em conta o Sábado de Lázaro como primeira jornada de celebração.

Narrativa bíblica


A leitura bíblica recomendada para este dia, combinando todos os Evangelhos, é a seguinte:

• Para os eventos que ocorreram durante a madrugada, veja aqui.
• Para os eventos da manhã, clique aqui.
• Para os eventos da tarde, clique aqui.

De madrugada, depois de orar por Seus discípulos, JESUS vai ao Getsêmani (um jardim do Monte das Oliveiras) para orar novamente, e pede a DEUS para que, se fosse possível, Lhe evitasse o sofrimento que passaria na cruz (Mateus 26:36-46; Marcos 14:32-42; Lucas 22:39-46; João 18:1).

Depois de orar no Getsêmani, JESUS é entregado por Judas Iscariotes aos soldados romanos e guardas dos líderes religiosos (Mateus 26:47-56; Marcos 14:43-52; Lucas 22:47-53; João 18:1-11).

A traição de Judas:



Amanhecendo, JESUS é interrogado por Caifás (o sumo sacerdote) e por Anás (sogro de Caifás e sumo sacerdote deposto pelos romanos). Além disto, Pedro nega JESUS (Mateus 26:57-75; Marcos 14:53-72; Lucas 22:54-71; João 18:12-27).

Já de dia, JESUS comparece perante Pôncio Pilatos (governador romano da Judeia), e depois perante Herodes Antipas, filho de Herodes I, o Grande (este último perseguiu JESUS quando criança). Judas Iscariotes, remordido, suicida-se ao saber que JESUS fora condenado (Mateus 27:1-14; Marcos 15:1-5; Lucas 22:66–23:12; João 18:28-37).

Depois de comparecer perante Herodes Antipas, JESUS é sentenciado à morte por Pilatos, embora essa não era a intenção do governador (Mateus 27:15-31; Marcos 15:6-20; Lucas 23:13-25; João 18:38–19:16).

JESUS é crucificado pelos romanos, a pedido dos líderes religiosos (Mateus 27:32-56; Marcos 15:21-41; Lucas 23:26-49; João 19:17-37).

Como JESUS morreu rapidamente, e aproximava-se o sábado, José de Arimateia e Nicodemos sepultam o corpo de JESUS num túmulo novo (Isaías 53:9Mateus 27:57-61; Marcos 15:42-47; Lucas 23:50-56; João 19:38-42).

Data


A maneira bíblica de calcular a data desta comemoração, é tomar em conta o seguinte:

A Sexta-feira Santa é o sexto dia após o Sábado de Lázaro, e este último é aquele sétimo dia da semana imediatamente anterior a 15 de Abibe/Nisã do calendário hebraico bíblico (o primeiro dia da Festa dos Pães sem Fermento).

Como os sucessos da Semana Santa foram no ano 30 d.C., no calendário hebraico bíblico esta sexta-feira foi 15 de Abibe/Nisã, e no calendário gregoriano foi 4 de abril de 30 d.C. Porém, se comparadas como o calendário gregoriano, as datas no calendário bíblico sempre são móveis. Portanto, eis uma tabela das datas da Sexta-feira Santa entre os anos 2000 e 2030 d.C.:

2000:   21 de abril
2001:   13 de abril
2002:   29 de março
2003:   18 de abril
2004:   09 de abril
2005:   29 de abril
2006:   14 de abril
2007:   06 de abril
2008:   25 de abril
2009:   10 de abril
2010:   02 de abril
2011:   22 de abril
2012:   06 de abril
2013:   29 de março
2014:   18 de abril
2015:   03 de abril
2016:   22 de abril
2017:   14 de abril
2018:   30 de março
2019:   19 de abril
2020:   10 de abril
2021:   02 de abril
2022:   15 de abril
2023:   07 de abril
2024:   26 de abril
2025:   18 de abril
2026:   03 de abril
2027:   23 de abril
2028:   14 de abril
2029:   30 de março
2030:   19 de abril

Legado


JESUS entrou em Jerusalém um dia 10 de Abibe/Nissan do ano 30 d.C., como o Cordeiro que DEUS separou para que seja sacrificado pela humanidade (Êxodo 12:1-6). Não é coincidência que após ter comemorado a Última Ceia (a ceia da Páscoa de Libertação), JESUS fosse condenado a morrer na cruz. Este ato cumpre perfeitamente aquilo que o cordeiro pascal fazia a favor dos israelitas: levava o pecado deles ao altar do sacrifício, onde o sacerdote o oferecia a YHWH, e assim cobria o pecado. Mas o sacrifício de JESUS não somente cobriu os pecados da humanidade, mas também os tirou (João 1:29). É por isso a importância de comemorar este ato que aconteceu na Sexta-feira Santa.

Também não é coincidência que esta data seja o início da Festa dos Pães Ázimos, celebrada imediatamente depois da ceia da Páscoa. Nos Evangelhos, esta ceia é denominada A Última Ceia, onde JESUS a compartilhou com Seus apóstolos, e onde Ele lhes disse que sempre realizem aquele ato, conhecido atualmente como Santa Ceia, Ceia do SENHOR, ou Eucaristia. A Páscoa de Libertação é uma antessala daquilo que significa a Páscoa de Ressurreição: o sacrifício do cordeiro representa o sacrifício de JESUS CRISTO; o pão ázimo representa o corpo de CRISTO; e as ervas amargas (amargosas) representam o sofrimento que JESUS suportou na cruz, análogo ao sofrimento dos israelitas quando eram escravos no Egito (Êxodo 12:1-14).

Epílogo


¿Cômo o sangue age em expiação pelo pecado? Sob o antigo sistema de adoração, quando o sacrifício era oferecido com a atitude correta, essa oferta e o sangue derramado tornavam possível o perdão do pecado.

Por um lado, o sangue representava a vida do pecador, infectado por seu pecado e dirigido à morte. Por outro lado, o sangue representava a vida inocente do animal que foi sacrificado, em vez do culpado que fez a oferta. A morte do animal (da qual o sangue era a prova) satisfazia a pena de morte. Então DEUS concedia perdão ao pecador.

Finalmente, antes e depois do Perfeito Sacrifício de CRISTO, sempre foi e será DEUS quem perdoa, baseado na fé da pessoa que oferece sacrifício (anteriormente, de animais; atualmente, de louvor e adoração como um sinal de gratidão pelo sacrifício de CRISTO JESUS na cruz).

Most visited posts of this week:

Yom Teruah / Rosh Hashanah

A Festa das Trombetas (em hebraico: יוֹם תְּרוּעָה, Yom Teruá, ‘dia de gritar/ detonar’), ou Rosh Hashaná (em hebraico: ראש השנה, Rosh Ha-Shaná, ‘cabeça do ano’), é o ano novo bíblico civil, comemorado a 1 de Etanim ou Tishrei (sétimo mês do calendário bíblico cultual; ou o primeiro no calendário civil, conforme Levítico 23:24-25). Celebra-se desde o entardecer do dia anterior (29 de Elul) até o anoitecer do primeiro dia de Etanim.

Para o início do ano bíblico existem dois critérios:

1.- A Torá (Pentateuco) estabelece que o mês de Abibe ou Nisã (março-abril) é o primeiro dos meses do ano, em cujo primeiro dia se comemora o ano novo cultual (Êxodo 12:2; 13:3-5).

2.- No mês hebraico de Etanim ou Tishrei (setembro-outubro) comemora-se o dia em que DEUS criou o mundo e, conforme a opinião do rabino Eleazar ben Shammua, a partir desta jornada se contam os anos. Esta é a data da Festa das Trombetas (em hebraico: זכרון תרועה, Zikron Teruá, ‘comemoração com soar de trombetas’) estabelecida e…