Pular para o conteúdo principal




→ Passport ←

Epiphany


Epifania


O dia 6 de janeiro é comemorado pelo mundo cristão como o Dia da Epifania (manifestação) de Nosso Senhor JESUS CRISTO. Esta é meramente uma data simbólica, e portanto, não significa que literalmente um 6 de janeiro JESUS tenha recebido a visita dos magos do oriente.

Epifania é uma palavra de procedência grega que significa «se mostrar» ou «aparecer», e o vocábulo faz referência à primeira manifestação da Divindade de JESUS aos não judeus, além da adoração dos magos do oriente que nos relata Mateus 2:1-12.

Celebra-se como epifania três momentos concretos de Sua vida (isto é, situações nas quais JESUS se deu a conhecer):
- Aquela que acabamos de comentar (adoração dos magos de oriente).
- Sua epifania a João Batista e a seus discípulos no rio Jordão (João 1:29).
- O começo de Sua vida pública com o milagre nas bodas de Caná (João 2:1-11).

A Epifania, junto com o Natal, são festas que celebram a manifestação de DEUS ao mundo. Realmente as duas festas surgiram como duas idênticas. No Ocidente celebrava-se o Natal, e no Oriente a Epifania, mas ambas tinham um mesmo conteúdo: a celebração do nascimento de JESUS.

A Epifania, provavelmente, começou a celebrar-se no Egito. Dali passou a outras igrejas do Oriente, e posteriormente foi trazida ao Ocidente: primeiro à Gália, mais tarde a Roma e ao norte de África.

O aparecimento desta festa, ao princípio do século IV d.C., coincidiu aproximadamente com a instituição do Natal em Roma. Durante este século houve um processo em que as igrejas ocidentais adotavam a festa da Epifania, e as orientais, com algumas exceções, não demoraram muito em introduzir a festa do Natal.

Com a introdução da Epifania em Roma e em outras igrejas do Ocidente, o significado da festa experimentou uma mudança: o episódio dos magos que nos narra Mateus se converteu no tema principal da festa. Atribuiu-se um simbolismo profundo ao relato do Evangelho. Representava a vocação dos gentios à Igreja de CRISTO.

Agostinho de Hipona; Leão I Magno; e Gregório Magno, estudaram com grande interesse a teologia que subjaz no relato do Evangelho de Mateus, chegando à mesma conclusão: os sábios do Oriente representam às nações do mundo.

Com esta interpretação de epifania, a festa toma um carácter mais universal. DEUS deixa de manifestar-se só a uma raça, a um povo privilegiado, e se dá a conhecer a todo mundo. A boa nova da salvação é comunicada a todos os homens.

O povo de DEUS compõe-se agora de homens e mulheres de toda tribo, nação e língua que confessam com sua boca que CRISTO é o SENHOR (Romanos 10:9-10). A raça humana forma uma só família, pois o amor de DEUS abraça a todos.

Most visited posts of this week:

Yom Teruah / Rosh Hashanah

A Festa das Trombetas (em hebraico: יוֹם תְּרוּעָה, Yom Teruá, ‘dia de gritar/ detonar’), ou Rosh Hashaná (em hebraico: ראש השנה, Rosh Ha-Shaná, ‘cabeça do ano’), é o ano novo bíblico civil, comemorado a 1 de Etanim ou Tishrei (sétimo mês do calendário bíblico cultual; ou o primeiro no calendário civil, conforme Levítico 23:24-25). Celebra-se desde o entardecer do dia anterior (29 de Elul) até o anoitecer do primeiro dia de Etanim.

Para o início do ano bíblico existem dois critérios:

1.- A Torá (Pentateuco) estabelece que o mês de Abibe ou Nisã (março-abril) é o primeiro dos meses do ano, em cujo primeiro dia se comemora o ano novo cultual (Êxodo 12:2; 13:3-5).

2.- No mês hebraico de Etanim ou Tishrei (setembro-outubro) comemora-se o dia em que DEUS criou o mundo e, conforme a opinião do rabino Eleazar ben Shammua, a partir desta jornada se contam os anos. Esta é a data da Festa das Trombetas (em hebraico: זכרון תרועה, Zikron Teruá, ‘comemoração com soar de trombetas’) estabelecida e…